Assisti: The Crown

Tags

, , , ,

the-crown-serie-original-netflix

Olá pessoas! Depois de um looongo inverno, estou de volta. Não vou fazer promessas, porque vocês já sabem que não adianta rs. Pois bem, dito isso, vim aqui falar sobre uma série que assisti esse fim de semana: The Crown.

Essa é uma das séries mais aguardadas do momento. Original da Netflix a série conta a história da coroação e reinado da Rainha Elisabeth II da Inglaterra. Sim, a série conta em detalhes, desde o momento em que Betinha (como dizia Dilma Bolada) casou com Phillip, o ex-herdeiro da Grécia e Dinamarca, passando pela morte do seu pai, George VI, a coroação e os primeiros anos do reinado. Príncipe Charles e Princesa Anne ainda eram seres que usavam calça curta quando a primeira temporada acontece e os Príncipes Andrew e Edward nem sonhavam em existir.

Durante os dez episódios podemos acompanhar um Príncipe Phillip amoroso com os filhos e com a esposa, até o momento em que ela se torna a figura principal do país e uma das principais figuras social e política do mundo. Todo mundo que acompanha um pouquinho da família real sabe que o Príncipe é figura não muito amada pelo público e que passou a vida inteira a margem da figura imponente da esposa. Também vemos como a princesa tem de lidar com uma situação para a qual ela não foi nem 1% preparada. Toda as inseguranças da jovem rainha são demonstradas sem pudor para o público. Eu, como espectadora e com menos de 1/3 da idade atual da rainha, nunca imaginei como a transição pudesse ter sido difícil ou na possibilidade de ela hesitar em tomar decisões. É bem verdade que vemos apenas aquilo que eles nos permitem ver, mas jamais me passou pela cabeça que ela pudesse ter inseguranças como qualquer pessoa “normal”.

O lado político é um show à parte para entender o papel do país na atualidade. Aos poucos vemos Winston Churchill retomando o Parlamento, articulando negociações e manipulando a mídia e o povo para se manter no poder. Por outro lado, vemos como ele realmente ajudou a rainha em vários momentos e em como era o braço forte do Parlamento. Seu momento de renúncia é um dos mais tocantes da temporada por ser um momento de tomada de autoconsciência de nossas vidas e, principalmente, idade.

Os dramas internos da família também são vários e servem para nos fazer entender centenas de situações que vemos hoje. Desde o rei que abdica do cargo para viver com uma americana divorciada e as causas que isso lhe traz (não só na vida em família como na vida pública), passando por um marido que não sabe lidar com a esposa superpoderosa, até a mãe que, talvez, não soube preparar a filha adequadamente para assumir o cargo que estava predestinada e preferiu seguir as regras gerais da sociedade de “como criar uma filha”.

Margaret, a irmã rebelde da rainha, é uma figura que nos faz entender 100% o que passa Príncipe Harry. Também serve de alerta para as próximas gerações (alô Princesa Charlotte) que tem o peso de ser “Sua Alteza Real”, mas que muito provavelmente jamais serão Rei ou Rainha.

Já o fim da temporada não é nada espetacular ou épico como estamos acostumados com as séries norte-americanas, mas nos deixa com gostinho de quero mais.

Essa é a série mais cara já produzida pela Netflix. O custo está estimado em US$100mi e assistindo fica muito evidente todo esse investimento. Os cenários são gigantescos e luxuosos e nos passam a real impressão de estar nos castelos e abadias. Para quem achava os cenários de Downton Abbey luxuosos, prepare-se, pois estes irão lhe tirar o ar.

A série já esta com a segunda temporada em gravações, mas não tem data de estreia definida.

Não deixem de assistir, pois a série é um prato cheio para quem gosta de história, da Família Real Britânica, de política e/ou para quem ama uma fofoca de ricos e famosos 😉

Bjks

Imagem: Reprodução Netflix

SPFW nº41 – dia 03

Tags

, , , , , , , , ,

Chegamos na metade da semana e parece até de propósito que bem nesse dia tivemos uma estréia muito aguardada. Sim estou falando d’À La Garçonne, grife que fará essa estreia com uma coleção assinada pelo querido Alexandre Herchcovitch.

No dia ainda teremos as coleções super aguardadas (pelo menos pra essa que vos escreve) de Isabela Capeto e Samuel Cirnansck. Mas ainda contaremos com desfiles de Vitorino Campos, Iódice, Reinaldo Lourenço, Tryia e Ellus 2nd Floor e Lenny Niemeyer.

Então mãos à obra:

Vitorino Campos: quando Vitorino estreiou no evento era considerado o menino prodígio da moda e rapidamente virou o queridinho das editoras de moda. Ao longo dos anos ele foi mudando, assumiu a criação criativa da Animale e talvez por essa proximidade com outro tipo de público, a grife homônima ganhou outros ares. Hoje a grife não lembra aquela de roupas estruturadas da primeira coleção. As últimas coleções já davam indícios de mudança e nessa coleção acho que foi o ápice. A coleção é super urbana e com peças para serem usadas no dia a dia. Cheia de jeans, blusinhas e vestidos leves. Achei as peças bem interessantes e de forma geral, são ótimas para os fim de semana de verão, para dias de sol e relax. Ainda sinto falta das peças estruturas, mas esta coleção esta bem mais interessante que a passada rs

SPFW n41 Vitorino Campos

Reinaldo Lourenço: um dos temas que Reinaldo usou com inspiração foram os anos 1980, mas olhando bem perto, achei o desfile com pegada do 1920 e 1930, principalmente na padronagem dos vestidos que apareceram no 1/3 final. O que eu mais gostei foram as listras, sempre com um toque de cor misturado ora em preto, ora em branco, ora em P&B. Como eu não curto tons metálicos, dispensaria o tom dourado/cobre de algumas peças, mas tenho de admitir que deram todo o toque glam (e bem anos 1980) para a coleção. Também gostei como Reinaldo passeou bem entre os looks para dia e para noite. Algumas peças, inclusive, podem ser usadas em qualquer horário do dia e vai do trabalho para um happy hour ou para um jantar mais formal.

SPFW n41 Reinaldo Lourenço

Isabela Capeto: Isabela é uma das estilistas mais delicadas que temos no Brasil. Do time de estilistas que fazem um tipo de moda individual, com DNA super marcado e para um público específico. Esta ao lado de Adriana Barra, Chris Barros, Emmanuelle Junqueira e Paula Raia no quesito genialidade e originalidade. Ela (s) não segue (m) tendências e fazem um tipo de moda muito em falta atualmente: moda fora da caixinha, pra um tipo não padrão de mulher (loira, magra, alta, com cara de modelo). Isabela, assim como Paula, usou o tempo como inspiração e nada mais justo, já que ela faz as coisas ao seu tempo. Ficou anos fora de desfiles e decidiu voltar para apresentar suas criações para quem não é carioca ou não acompanhava desfiles desde a época que SPFW era Morumbi Fashion #revelandominhaidade rs Isabela voltou com a mesma sensibilidade e com uma coleção que mostra exatamente quem ela é e espero que dessa vez a volta seja para ficar.

SPFW n41 Isabela Capeto

Iódice: vou confessar que essa não é da minhas grifes preferidas não rs. Sempre achei muito rebuscada, mesmo nos looks festa, sempre foi meio over pro meu gosto. Mas não é que nessa coleção parece que o jogo virou? rs gostei de vários looks e lendo a review do FFW eu entendi. A mudança tem nome e sobrenome: Simone Nunes. A estilista agora trabalha pra grife e trouxe esse ar fresh pra grife. Não que Valdemar não tivesse essa visão, mas Simone trouxe isso de forma mais leve e cool. Concordo com o FFW e acho que os looks em jeans estavam ótimos e foram exatamente esses que me causaram desejo. Espero, de verdade, que a grife permaneça nessa pegada, porque o caminho me parece mais do que acertado!

SPFW n41 Iódice

Lenny Niemeyer: chegamos naquele momento tão aguardado de uma semana de moda de verão. Sim, estou falando de biquínis, maiôs e saídas de praia. Lenny era uma pessoa que sempre desfilava no Fashion Rio e resolveu migrar para SP quando o evento carioca entrou em hiato. E tenho que dizer que a mudança foi muito bem vinda. Adoro como as peças da marca são chics sem ser exageradas e como podem ser usadas fora das praias. Olhem, reparem bem nos maiôs abaixo. São perfeições em forma de maiôs. E podem ser usados como body. do trabalho ao happy hour, em dias em que as temperaturas estão estratosféricas. Podem ser usados em reuniões noturnas e informais na praia e ficam perfeitos em cidades praianas como o Rio de Janeiro. Outro ponto que eu amei nos maiôs foram as estampas, super de acordo, sem ser clichê, com o tema da coleção: a cultura japonesa. Quanto aos biquínis e saída de praia nem tem o que falar né? São lindos e super funcionais, pois podem ser usados na praia, sem ficar over ou muito arrumada, mas também pode ser usado naquele passeio de barco em Búzios rs. É muito lyndeza, muita ryqyeza pra uma coleção só!

SPFW n41 Lenny Niemeyer

À La Garçonne: falar de Alexandre Herchcovitch de longe, sem pegar, sem tocar nas peças é algo bem complicado, mas vamos lá rs. Com essa nova marca ele veio pra mostrar como amadureceu. Não que ele fosse um juvenil na sua própria grife, mas lá, já tinha sido criado um DNA que ficava bem difícil de ser alterado. Aos pouquinhos a marca homônima foi mudando para que essa nova marca pudesse aparecer assim, livre de pré-conceitos e de acordo com que a marca já vinha fazendo em outras áreas (para quem não sabe, a marca já existe faz muitos anos, mas era focada em outras áreas como as peças vintages, tanto de quesito vestuário, quanto mobiliário). As peças trazem uma áurea de passado, mas sem deixar o tecnológico de lado. Destaque para os sapatos femininos que estavam belíssimos. Sem dúvida nenhuma, uma marca para ficar de olho!

SPFW n41 À La Garçonne

SPFW n41 À La Garçonne1

Samuel Cirnansck: o que dizer de Samuel? Ele sempre traz para a passarela uma aura de sonho, de fantasia, de fetiche. Nessa temporada os ornamentos que acompanham seus vestidos, que poucas (ou talvez nenhuma) vezes poderemos usar na vida real, me lembraram a série Games of Thrones (não, não assisto a série #diferentona, mas sempre vejo os looks aqui e acolá). Algumas pulseiras, alguns cintos, as mordaças… Posso estar completamente errada, mas foi a primeira coisa que me veio ao pensamento. O que me deixou fascinada foi a mistura de roupas delicadas com os acessórios pesados. Um perfeito high low!

SPFW n41 Samuel Cirnansck

Triya: o lado bacana das semanas de moda verão é ver as coleções de moda praia. Triya é uma dessas e é sempre engraçado ver como de fato as coleções de biquini e maiô sempre mudam. Pode parecer algo que não damos importância, afinal a maioria da população não faz compras tão regulares dessas peças, mas elas mudam e influenciam muito o que usaremos nessa temporada. Admiro real quem trabalha com marcas assim. A Triya trouxe o sol para a passarela. Cores solares e modelagens para todos os gostos e corpos femininos. Modelagens que vão do clássico fio dental, passando por engana mamãe, com detalhes e recortes até chegar ao hot pant. Os meus preferidos foram em azul do meio da coleção com cara de jeans.

SPFW n41 Tryia

2nd Floor: essa é uma grife filha da Ellus, mas voltada para um público mais jovem (não necessariamente adolescente). Pensando nisso a inspiração dessa edição veio de uma série sobre o Batman lá dos anos 1960. E não poderia ter uma inspiração mais divertida. Camisetas com estampas MUITO legais e com pegada bem rocker. O que eu mais gostei foi da cartela de cores: preto, cinza, branco. Tinha tudo pra ser sóbria, mas conseguiu ser divertida e alegre, graças as estampas que deram um toque todo especial. Excelentes peças como saias triângulo, capas compridas, vestidos e shorts na medida certa para o calor.

SPFW n41 2nd Floor

Esse foi o terceiro dia de desfiles com peças ótimas, alguns desejos e muita, MUITA inspiração para todos os gostos.

Bjks

Imagens: reprodução Zé Takahashi e Marcelo Soubhia ambos para Agência Fotosite

Blogagem Coletiva: 5 músicas da minha vida

Tags

, , , , , , ,

Olá pessoal!!! Estou sumida, mas vou voltar (só não vou prometer, porque vocês já sabem né?!).

blogagem coletiva maio 5 músicas da minha vida

A blogagem coletiva desse mês foi sugestão minha e confesso que senti dificuldade gigante pra fazer rs Mas eis aqui 5 músicas que tenho certeza que fazem parte da minha vida (não consegui escolher por ordem de preferência, então, só pra variar um tiquinho, elas estão por ordem alfabética), mas por favor não me matem, música é algo beeem subjetivo e as vezes não conseguimos explicar o que sentimos, apenas que sentimos:

At Last – Etta James

Não faço ideia de quando conheci essa música, mas lembro de sempre amá-la. Provavelmente tenha ouvida na rádio, durante a adolescência, pois sempre fui dessas adolescentes que curtem rádios #diferentona rs (ouvia muito, MUITO, Alph FM, Rádio Eldorado, Antena 1 rs). Amo todas as versões dessa música, da clássica com Etta, a jazzística com Aretinha, versão power da Beyoncé até a versão do Will Champlin no The Voice US. A música é tão linda (letra e melodia) e ainda tem vibe anos 1930 (mas foi escrita no início dos anos 1940). Mesmo a letra sendo triste, não tem como não amar. Música pra figurar em todas as listas possíveis!

Balada do amor inabalável – Skank

Essa música foi lançada no início dos anos 2000 e esta na trilha sonora de Laços de Família. Era uma época em que o Skank estava super em alta, com clips bombantes na MTV. Essa música é super animada e toda vez que escuto me dá vontade de sair dançando. Sempre que estou muito pra baixo, essa música me dá animo. Canto a plenos pulmões, sempre rs. A letra também é fofinha e passa esse mesmo sentimento alegre!

Clarity – John Mayer

Talvez John Mayer seja meu cantor preferido! Digo talvez, pois já houve uma época na minha vida que isso era certeza absoluta, 100%. Hoje em dia não escuto tanto quanto alguns anos atrás, mas de vez em quando eu volto para os álbuns dele. Dito isso, posso dizer que essa é a música para a qual sempre volto, independente do que aconteça na minha vida. Ouvi a primeira vez na rádio. Na verdade, sempre fico na dúvida se foi essa ou Neon, mas com certeza se tornou amor maior. Não sei explicar o sentimento que essa música me traz. Sempre sinto algo bom, mesmo com a letra falando sobre separação, término de relacionamento. Talvez, ou muito provavelmente, seja a melodia que me dá esse sentimento. John pode lançar 200 músicas, em 200 estilos diferentes, mas Clarity é (e será) meu amor pra vida toda!!!

Faltando um pedaço – Djavan

Minha mãe ama de paixão esse moço e desde sempre eu escuto e conheço as músicas dele. Sei todas de cor e salteado, mas por algum motivo, que não sei explicar, essa é minha preferida. Talvez seja a melodia que começa como violão em estilo viola e a viradinha, talvez seja a letra. Fato é que até hoje, com 28 anos de idade, não sei (e tenho leve impressão que jamais saberei) explicar os motivos que me levam a amar e ficar emocionada com essa música. É do tipo de música que estou sempre ouvindo e que posso ouvir no repeat eterno rs

Palco – Gilberto Gil

Na verdade eu poderia colocar qualquer música do Gil nessa lista que com certeza estaria bem representado. Poderia ter colocado o Acústico MTV que sentiria da mesma forma. Escolhi Palco pelo simples fato de ser uma música animada, que dá vontade de sair sacolejando por aí. É incrível como essa música tem excelente vibe em qualquer versão e em qualquer voz. Não lembro ao certo quando a ouvi pela primeira vez, mas lembro quando me marcou: uma apresentação do programa FAMA, da Globo, lá no início dos anos 2000. Eu devia ter entre 14 e 16 anos e por algum motivo que, mais uma vez, não sei explicar ela me marcou. Toda vez que ouço, sempre canto a plenos pulmões e a sensação é ótima.

Acho que deu pra perceber bem do meu gosto musical né? Essas são músicas que me acompanham há muitos anos e que tenho certeza que estarão aqui até envelhecer. Apesar de gostar (e de muito ouvir) músicas “da moda”, elas sempre acabam indo embora. Acho que as músicas que fizeram parte da minha infância são as que ficarão pra sempre por aqui.

E vocês, o que tem de música do ❤ ?

Bjks

ps: não deixe de acessar nossa página da Blogagem Coletiva para ver as indicações de todos os blogs participantes 😉

Tons escuros no decor

Tags

, , ,

Eu falei que esse ano será um ano de mudanças no meu guarda-roupa, mas estou percebendo que as mudanças serão em outras áreas da minha vida também.

Andei pesquisando decor de casa e só consigo olhar pras decorações em P&B ou em cinza. Gente, que que ta conteseno comigo??? rs

Agora falando sério, se tiver alguma psicóloga por aí, me diz aqui se é a crise dos 30 chegando, por favorzinho rs

Separei algumas decorações em P&B que achei no meu amor, Pinterest (já me segue lá? Tô de olho hein?!).

Então vamos ao que interessa: imagens. Separei poucas só pra dar uma ideia do que estou falando, mas se você procurar no Pinterest aparece opção pra nos deixar com vontade de ter casa na cidade, no campo, na montanha, na praia, na fazenda e ainda vai faltar espaço rs

Ambiente todo em P&B: você pode ter o ambiente inteiro nessas cores. Não sei explicar mas esses ambientes me passam uma cara de casa aconchegante rs (to falando que estou bem louca, minha mãe vai falar que deixa tudo pesado demais rs):

Sofá Branco 9

Sofá Branco 6

P&B 3

Em detalhes: pode ser um quadro, um móvel, apenas as almofadas…

P&B 1

Sofá Branco 1

cinza 9

Sofá Branco 7

Cinza: também dá pra brincar com esses tons e aliviar o ar dark (ou deixar mais):

Cinza 1

cinza 7

cinza 2

Achei no Pinterest essa indicação de cores para casos de Branco e Cinza. Como suavizar e dar um ar mais cozy pra nossa casinha, mas confesso que eu trocaria o azul pelo rosinha (amo rosa bebê com cinza), mas vale a troca por qualquer cor em tom pastel: verde, rosa, amarelo, laranja…

cinza 11

Eu estou obcecada com paredes cinza, sofá branco e elementos em P&B. Acho que essa é a minha tríade perfeita no decor. E como eu disse ali encima, um rosa bebê só pra quebrar o tom dark rs

E aí, quem curte os tons escuros no decor? Deixe suas sugestões de Pinterest ou blogs com essas inspirações.

Bjks

Imagens: Pinterest

 *se você for o autor de alguma das imagens utilizadas e deseja que esta seja removida, entre em contato através do e-mail mencionado no formulário.

Produtos acabados – Abril

Tags

, , , , , , , , , ,

Olá gente!!!! Vou seguir as vlogueiras e fazer post com 5 produtos acabados rs

Na verdade essas são vídeos que eu adoro porque acho real. Não que outros vídeos de indicação não sejam, mas nesses em especial da pra perceber que são verdadeiros, afinal os produtos foram usados real-oficial (espero que ninguém jogue produto fora né?!).

Pois bem, os meus realmente foram usados rs Vamos a eles:

Deep Clean: fluido bifásico demaquilante – Neutrogena

Deep Clean fluido bifásico demaquilante - Neutrogena

Eu sempre uso produtos bifásicos para tirar a máscara de cílio e já usei de todas as marcas possíveis. Como a grana estava curta, corri procurar um que fosse mais em conta e me deparei com esse da Neutrogena. Confesso que fiquei com um pé atrás porque os lenços demaquilantes são uó (pelo menos pra mim). E que grata surpresa eu tive. Achei o produtos melhor que os coleguinhas baratinhos Nívea e L’Oreal. Não é muito oleoso, mas também não é seco. Sei que ficou confuso, mas o que quero dizer é que ele é oleoso na medida. Não precisa agitar muito e não deixa a pele super pegajosa. Gostei tanto que estava usando para tirar a make toda do rosto (e depois vinha com a água micelar da L’Oreal que estou testando e por fim com o sabonete líquido do rosto, também da Neutrogena).

Preço: R$23,90 (DrogaRaia)

Comprarei de novo: definitivamente sim

Effaclar Mat – La Roche-Posay

Effaclar Mat - La Roche-Posay

Senta que lá vem história. Minha pele é mista e eu sempre usei um hidratante da Nivea Visage chamado Gel de Hidratação Anti-Acne, mas desde o fim do ano passado eu não acho mais pra comprar. Pulei de hidratante em hidratante e nada dava jeito. Descobri que minha pele não se adapta a hidratantes gel creme e muito menos creme (quem foi que inventou que pele oleosa se dá bem com hidratante em creme??? Quem??? Quem????). Até que em fevereiro eu achei um print de um grupo no FB onde algumas meninas indicavam esse da La Roche. Eu que sou a louca da água termal, fui atrás desse hidratante (que eu nunca achei que fosse hidratante rs). Pois bem, minha pele estava tão judiada que ela sugou o pobre Effaclar rs Juro que nunca usei um hidratante inteirinho em tão pouco tempo. Mas também depois de usar o potinho inteiro, ela voltou a ser o que era com o falecido Nivea Visage rs Não vivo mais sem essa belezinha da La Roche (mas ainda quero testar o Normaderm Total Mat da Vichy).

Preço: R$93,95 (dermadoctor.com.br)

Comprarei de novo: claro, não vivo sem

Shampoo Detox Capilar, Limpa Profundamente sem Agredir – Vizcaya

Shampoo Detox Capilar, Limpa Profundamente sem Agredir - Vizcaya

Eu comprei esse produto no início do ano. Em Março comecei a fazer Low Poo e ele é proibido (vou fazer post falando sobre isso), mas fiquei com dó de jogar fora. Também comecei a fazer CC (Cronograma Capilar) e na Reconstrução, quando feita de forma leve com queratina, o indicado é usar um shampoo com sulfato e de limpeza profunda. Bingo, achei a forma de usar meu queridinho! O indicado na embalagem é para ser usado uma vez por semana. A cada lavagem, passar duas vezes e condicionar normalmente. Deixa o cabelo leva e limpa de verdade. To falando isso porque tem muito shampoo anto-resíduo que deixa o cabelo pesado e sem o aspecto de limpo de verdade. Além disso todos os produtos da Vizcaya contém Água Termal na fórmula ❤ ❤ ❤

Preço: R$24,90 (Vizcaya.com.br)

Comprarei de novo: provavelmente sim

Shampoo Hidratação Intensa de Coco e Algodão – Phytoervas

Shampoo Hidratação Intensa de Coco e Algodão - Phytoervas

Fui procurar shampoo liberados para o Low e achei alguns da Phytoervas. Como eu sou a louca do algodão (amo tudo que tem algodão: creme de mão, de corpo, de cabelo, flor de algodão, roupa de algodão, algodão doce e por aí vai) não pude deixar de experimentar esse. O coco toma conta do shampoo e você nem lembra que tem algodão na fórmula rs O shampoo é muito bom, limpa bem e deixa um cheiro beeeem gostosinho no cabelo. O único problema é que no final (+/- nas últimas duas lavagens) achei que ele não cumpriu bem o papel. Não deixou o cabelo bem limpo e tive de lavar mais de uma vez e lotar a mão de produtos.

Preço: R$15,30 (netfarma.com.br)

Comprarei de novo: comprarei shampoo da Phytoervas, mas não necessariamente o de coco, quero experimentar outros.

Umectação Oliva – Lola Cosmetics

Umectação Oliva - Lola Cosmetics

Como eu falei ali encima, eu comecei o CC e uma das etapas é a de Nutrição. Pra isso você tem que usar um óleo, 100% vegetal e como eu não achava óleo de coco pra comprar, fui nesse da Lola. Dá pra usar de 5 formas diferentes, mas na 1ª tentativa deixei apenas 2h no cabelo. Achei que pesou horrores (não sei se foi a quantidade de produto ou a finalização, mas ficou duro). Na 2ª tentativa eu acertei a quantidade de produtos (tem que passar beeeeem pouquinho) e também na finalização (tem que usar shampoo pra tirar) e o resultado foi impressionante. O problema é que muitas meninas não acham isso, muitas delas não gostam do produto. Eu gostei, mas apanhei até pegar o jeito. O produto não é milagroso e óleo de coco ou de amêndoas dá um resultado tão bom quanto esse e o valor é bem mais baixo. Outro ponto importante é o cheiro. Não é dos melhores como do óleo de coco, mas até aí, azeite ou óleo de amêndoas doces também não tem o melhor dos cheiros rs

Preço: R$44,30 por 200g (icabelos.com.br)

Comprarei de novo: provavelmente não porque ainda tenho muito óleo de coco e de amêndoas doces aqui.

Pois bem, esses foram meus produtos acabados no mês de Abril. Não prometo posts todos os meses, mas assim que juntar 5 produtos que merecem menção eu venho aqui avisar vocês (até porque não mudo tanto assim de produtos, sou bem apegada rs, mas se marcas quiserem me enviar para testar eu desapego fácil do que tem aqui 😉 ).

E vocês, o que andaram usando no (s) ultimo (s) mês (es)?

Bjks

Imagens: Google

*se você for o autor de alguma das imagens utilizadas e deseja que esta seja removida, entre em contato através do e-mail mencionado no formulário.